Por que escolhi fazer engenharia de computação?

VN:RO [1.9.11_1134]
terça-feira, 26 d junho d 2012
Por Eduardo Russo, Coop10. Siga no Twitter

Em um outro post do Bit a Bit, recebi essa pergunta… meio largada , mas bastante pertinente… acho que merece um post para ela mesma… pode sanar a dúvida de outros e gerar discuções interessantes.

“…Procurei um meio de falar com vc que não fosse esse, mas não encontrei. Não sei se você pode me ajudar, mas não conheço ninguém que cursa ou se formou em Eng da Computação e procurando por informações cai aqui. Estou na dúvida entre cursar Engenharia ou Ciência da computação (respectivamente, POLI e IME) e gostaria de saber mais sobre as diferenças entre os dois cursos na prática e no mercado. Sei que você pode não conhecer sobre o dia-a-dia do curso no IME, mas de qualquer forma acho que qualquer informação de alguém que cursou uma das duas pode ser válido!

Cursei dois anos de Economia e larguei sabendo que queria computação, mas na hora de optar por uma das duas (ainda mais que ciência, agora, é separado de Engenharia na inscrição da Fuvest) fiquei perdido. Tenho olhado a grade e procurado informações, mas sobre o mercado e a vivência nos cursos não encontrei nada…”

Minha resposta, com algumas alterações e adição de alguns links, foi a seguinte:

Sofri bastante quando decidi cursar algo a ver com computação, com essa mesma dúvida: ciências ou engenharia.

Cheguei a criar uma comunidade no Orkut para me ajudar nessa decisão! Ainda é uma comunidade interessante (apesar de eu não entrar mais, nem cuidar dela) e tem vários tópicos sobre o assunto.

Mas, independente de outras opiniões que vc possa encontrar nesses tópicos, aí vai a minha.

Obviamente que posso falar com muito mais propriedade sobre Engenharia do que sobre Ciências, mas, vamos lá.

Ciências é um curso bem forte caso você queira desenvolver software. Você aprenderá as entranhas, o planejamento, a construção… provavelmente verá várias linguagens de programação e aprenderá profundamente algumas delas. Entenderá como solucionar diversos problemas usando e criando algorítmos e terá uma base matemática bem forte.

Engenharia é um curso mais generalista (na Poli, em específico) e você terá uma visão mais macro do computador. Terá várias matérias não relacionadas a computação, exatamente pelo generalismo da Poli.

Aprenderá muita lógica, mas não será nenhum mestre de programação (se depender da faculdade) em uma linguagem específica. Entenderá todas as entranhas de um sistema computacional, desde os componentes básicos até o sistema operacional.

Passeando um pouco por um computador, começamos com Laboratório de Fundamentos de Computação, em que programamos um emulador de uma máquina de Von Neuman (é um computador bem básico mas que é a base da computação atual, ignorando a quântica, que mal vimos).

Nessa mesma disciplina, criamos a linguagem de máquina (tipo um assembly, bem básico) dela e escrevemos programas, inicialmente com comandos hexadecimais (0 a 15) e, no fim do curso, com comandos mnemônicos (SUM para somar, por exemplo).

Temos também, Laboratório Digital, em que construímos os mais diversos “equipamentos” eletrônicos usando apenas componentes primários, como portas booleanas (fazem operações lógicas, tipo E, OU…). Começamos com coisas bem simples e, no fim do curso, montamos um mini computador com 16 operações diferentes.

Em matérias teóricas, começamos com Projeto Lógico Digital (essa disciplina, com o excepcional  - minha opinião de merda – professor Edson Fregni,  parece ter mudado de nome… ou não existe mais – não encontrei na grade atual). Nessa disciplina, entendemos o funcionamento dos componentes básicos e alguns mais avançados, todos necessários para o entendimento de um computador.

A sequência dessa é Organização de Sistemas Digitais, em que, a partir dos componentes que conhecemos na anterior, aprendemos a organizar um sistema a fim de montar om computador. Aprendemos um troço chamado VHDL (ou não) que é uma linguagem de construção de sistemas eletrônicos. Seu funcionamento é bem diferente das linguagens de programação normal, pois nela as coisas não são, necessariamente, sequenciais. Várias coisas podem acontecer paralelamente.

Depois disso, temos Arquitetura de Computadores e entendemos mais a fundo como funciona um computador de verdade. Desde o controle de um disco até a apresentação de dados numa tela. Nessa, temos também uma base de assembly (vimos assembly de ARM no nosso ano, mas pode ser de x86, x64 etc.).

Junto de Arquitetura, temos o Lab. de Processadores. Nele, programamos em assembly (era de Motorora 6800, mas já deve ter migrado pra ARM). É a prática e programamos desde coisas bem simples até drivers de comunicação entre o computador e um display.

Depois, temos Sistemas Operacionais e entendemos como um “programão” controla tudo o que aprendemos nas outras disciplinas. Usamos um sistema operacional didático chamado Minix para entender como um SO funciona. Mexemos nas entranhas dele e vemos como as coisas funcionam (e como são complicadas).

Finalmente, Linguagens e Compiladores nos dá a base para entender como uma linguagem de programação é criada (nós criamos uma) e como um compilador funciona (criamos um que interpretava a nossa linguagem). A matéria mistura bem teoria e prática e é considerada o terror dos terrores, já que envolve diversos conceitos muito teóricos. Nessa matéria você descobre a mágica das expressões regulares.

Agora, falando em Software, temos diversas matérias que vão desde as teorias de desenvolvimento (cascata, circular etc), banco de dados, documentação e o desenvolvimento propriamente dito.

A matéria Laboratório de Engenharia de Software II é o que você coloca em prática tudo que aprendeu nas outras disciplinas. No nosso ano, fizemos um ERP modularizado e cada grupo de 4 alunos fez uma parte. Tinhamos que escolher a linguagem de programação (cada grupo podia usar a sua), a arquitetura e divisão do software como um todo, a forma de comunicação de cada módulo com os outros (usamos SOAP no nosso grupo), a documentação que seria produzida e a interface do sistema.

Além disso, no fim do curso tivemos algumas disciplinas sobre empreendedorismo (optativa mas imperdível) (mais uma que, infelizmente, deve ter se aposentado junto do professor Edson Fregni… uma pena), segurança (sentido “security”), inteligência artificial e multimídia.

Outras que valem ser citadas são segurança (sentido “safety”), controle (que usa computação em praticamente tudo, hj em dia) e redes de computadores.

Além disso, tem um monte de outras matérias que não tem nada a ver com computação mas que te ajudam a se formar um engenheiro que, na minha visão, é um “resolvedor de problemas”.

Em relação ao mercado, ambos são bem remunerados e com muita vaga disponível pra quem é bom. Escolhi engenharia por me ver com um perfil não tão técnico. Amo tecnologia, amo computação, mas gosto mais do fim do que do meio e acho que a engenharia dá uma visão mais generalista e acaba sendo um caminho mais natural pra quem não quer escovar bits.

VN:F [1.9.11_1134]
Rating: 4.6/5 (20 votes cast)
Por que escolhi fazer engenharia de computação?, 4.6 out of 5 based on 20 ratings
Related Posts with Thumbnails

Eduardo Russo
Eduardo Russo

Formado em Engenharia de Computação pela Poli (2010) e em Design pela Belas Artes (2001), cofundador do Bit a Bit, fundador do Tubelivery e do Faviconit, cofundador da Fábrica de Aplicativos e coordenador de produto do Scup.

Tags: , , , , , ,

22 Comentários para “Por que escolhi fazer engenharia de computação?”

  1. Thiago

    Opa, Eduardo! Tudo certo?

    Conheci o blog hoje e já encontrei conteúdo excelentes e este, particularmente, me chamou atenção, já que estou no 3º ano do E.M.

    Já estou certo de que quero fazer Ciências da Computação (IME-USP), mas tenho dúvidas quanto ao que optar como segundo curso, caso não consiga passar em CC: Engenharia da Computação vs. Sistema de Informação.

    Tenho um perfil do que foi dito por você em um parágrafo – “Ciências é um curso bem forte caso você queira… criando algorítmos e terá uma base matemática bem forte.” – mas não sei qual seria o melhor a optar como segunda opção (SI ou EC).

    Não sei se pode responder a essa questão, mas não custa tentar: qual outra faculdade você recomenda para Ciências da Computação (e Engenharia da Computação como segunda opção)? Estive pensando em além da Fuvest, prestar para Unesp, UFSCar e Unicamp e como particular, a FEI. Algumas dessas não é tão boa? Há alguma a mais para acrescentar na lista?

    Muito obrigado e parabéns pelo blog!

    Abs!

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: +1 (from 1 vote)
    #1072
    • Olá Thiago, talvez seja um pouco tarde para responder, mas não custa deixar a minha opinião registrada.

      Tive a mesma dúvida em 2004, e optei por Engenharia da Computação. Acho que dei maior peso à abrangência do curso de Engenharia (além do grande nome “Poli” no currículo). E saiba que não me arrependo da escolha.

      Fazendo um curso de engenharia de computação na Poli você tem uma formação bem ampla, pode virar um ótimo desenvolvedor de sistemas, um empreendedor, ou até um vendedor de cachorro quente, hehe. Mas o principal é que abre muitos caminhos (durante o curso e depois dele). Assim, você pode ir direcionando a sua formação (como engenheiro, e mesmo como profissional) para onde você tem mais interesse.

      Eu acho que é um investimento (de tempo) que vale a pena, pois dará uma base bem sólida depois.

      Um grande abraço!
      Renan

      VA:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1118
  2. Samos dois então na duvidas sobre qual opção escolher eu particularmente acho forte o Eng.Computação e mais um ou 2 anos pretendo fazer 2014

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1110
  3. Russo, a disciplina de PLD (Projeto Lógico Digital) se misturou com “Fundamentos II” e agora são “Sistemas Digitais I” e “Sistemas Digitais II” (antiga PLD).
    https://uspdigital.usp.br/jupiterweb/obterDisciplina?sgldis=PCS2304&codcur=3031&codhab=1170

    E eu acho que o fregni não se aposentou não viu…. =)

    VN:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1123
    • Interessante, valeu pela(s) informação(ões)… principalmente a segunda :P

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1124
    • Renan

      O professor Edson Fregni esta ministrando duas aulas (do último ano) de Eng. Computação na Poli: Engenharia de Informação (obrigatória) e Empreendedorismo (optativa).

      Além de ter uma empresa de ambientes educacionais online, chamada Sciere (www.sciere.com.br).

      VA:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1129
  4. Reis

    Olá Russo! Estou me formando no último semestre de Eng.Civil, na tão amada POli!
    Não sei se escolhi o curso certo, mas decidi me formar de vez. Mas sempre gostei do mundo de computação e adorei os cursos de MAC do primeiro ano, (até num+erico o terror dos bixos hahah) e tamb+em curto bastante empreendedorismo e essas coisas. Minha pergunta é, preciso refazer vestibular para ir neste caminho de empreendedor para desenvolvimento de software e quem sabe explorar mais a fundo na indústria de alta tecnologia? A base que tive de programação foi muito boa, mas há muitas linguagens e muitas coisas a aprender. Dado que muitos empreendedores abandonam o curso pra se dedicar às ideias, me dá mais receio ainda de voltar ao ambiente pesado da Poli, dos constantes testes e desafios dos professores…
    O que você acha disso!?

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: +1 (from 1 vote)
    #1136
    • Reis, o fato de ter terminado engenharia (civil, ainda, uma das mais FODA de todas) te dá uma base mais que suficiente para trabalhar com computação.

      A Poli faz o excelente trabalho de nos transformar em auto-didatas, portanto, qualquer coisa que quiser aprender de computação que seja mais profunda (linguagens e compiladores, hardware – peguei as coisas mais TRETA!), basta ir atrás… pegar um livro sobre o assunto e estudar.

      Sinceramente, o dia a dia (meu, pelo menos), envolve muito pouco da teoria que aprendi na Poli, porém muito do que absorvi fazendo o curso.

      Em relação a linguagens de programação, o curso de computação da Poli não utiliza praticamente nenhum que você não tenha visto, já que o foco é outro e, se você entendeu um, entendeu todos (menos linguagens funcionais, mas, desconheço alguém não acadêmico que trabalhe com LISP ou similares).

      Portando, se sua paixão é computação e empreendedorismo, siga em frente, nem pense em fazer Poli novamente, já que não há a menor necessidade disso!

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1140
  5. Raphael

    Olá, também pretendo fazer Engenharia da Computação na POLI, mas ainda há um “curto” tempo até chegar lá, ano que vem já estarei no 2° ano do ensino médio, porém faço o mesmo integrado a Automação Industrial. E vocês, o que acham? Será que com até mesmo a Automação Industrial eu consigo ter uma base pra não ficar totalmente perdido na hora em que entrar no curso superior? Em Automação também trabalhamos com eletrônica, elétrica, muita matemática, lógica, programação e afins. Óbvio que em um curso técnico, as coisas são bem mais simples do que uma graduação, ainda mais sendo esta na Poli. Atualmente tenho 15 anos, mas já despertei o interesse pela área em média há 5 anos, porém o meu primeiro interesse foi em Ciências da Computação, através disso comecei a estudar linguagens de programação, hoje em dia por exemplo, consigo desenvolver alguns aplicativos com tranquilidade em linguagens como C, também aprendi um “pouco” de Assembly, porém, com o meu curso técnico, como você disse no post, ví também que gosto de algo mais generalizado, que envolva diversas áreas, não gosto muito de ficar limitado e acho que Ciências da Computação iria me limitar um pouco em atuar somente com software, e eu gosto de hardware. Agora, ando em uma luta enorme, encarando ensino médio, técnico e pré-vestibular pra conseguir chegar lá, que não é algo fácil. Mas enfim, também gostaria de parabenizar o blog que possui um conteúdo excelente.
    Boas festas!

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1146
    • Raphael, antes de tudo, ficamos muito feliz por você curtir o Blog.

      Em relação aos seus questionamentos de fazer um curso técnico e depois Poli, te digo que é algo totalmente viável.

      Vários colegas traçaram esse caminho e, muitas vezes, tinham muito mais facilidade em determinadas disciplinas do que os que tinham cursado colegial normal.

      Então, se esse é o caminho que deseja trilhar, vá em frente e acredite que é bem possível!

      []s
      Russo

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1147
  6. Danielle Albergaria

    ola, estou fazendo ciência da computação, mas ainda não sei se é isso o que eu quero. Gosto mais da parte prática da “coisa”, e ciencia é mais programação, queria muito mudar de curso pra fazer engenharia da computação, mas tenho medo de me arrenpender depois…alguma dica?

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1182
  7. Kleber

    Gostaria de saber se é fácil conseguir emprego com os conhecimentos adquiridos na faculdade ou tem que fazer zilhões de cursos fora da área de engenharia para ter um emprego decente. Pergunto isso porque nos comentários que vi em outro site, eles estudaram engenharia e depois só encontram emprego para fazer software, o qual não é o foco do curso… e eu mesmo pesquisei vagas de engenheiro da computação e só aparece nas pesquisas vagas que aceitam quem estudou engenharia mas todas na área de software e pedem conhecimento de um monte de coisa que provavelmente não se aprende na faculdade de engenharia… Tipo se eu estudar engenharia vou conseguir um bom emprego fácil(ou vou camelar?) e que cursos você aconselha fazer para complementar a faculdade e estar preparado para conseguir um bom emprego?

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1257
    • A área de computação em geral é uma área carente de profissionais bem qualificados. Engenheros em específico tem uma boa reputação no mercado.

      De fato, se pesquisar vagas de “engenheiro de computação”, dificilmente encontrará algo, já que um profissional formado nessa área atua das maneiras mais diversas possíveis.

      Vale dar uma olhada nesse post: http://www.bitabit.eng.br/2011/05/04/pesquisa-salarial-de-politecnicos-2011/

      Veja que a galera trabalha em diversos cargos diferentes.

      Em relação a cursos complementares, depende muito da área que for se encaminhar… pode ser desde programação em uma linguagem específica, Scrum, PMO, Gerência de Produto, Finanças, SAP etc.

      Enfim, é um curso que recomendo pela profundidade (pelo menos o nosso o foi), abrangência de assuntos, possibilidades de trabalhos em diversas áreas, salário relativamente alto etc.

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1263
  8. gabriel

    Estou na Poli-USP também, entrei esse ano mas infelizmente não estou gostando nem um pouco do curso e estou tendo muitas dificuldades em programação entre outras coisas. Não me sinto motivado nem feliz, é normal isso ou acha que devo desistir do curso?

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1308
    • Gabriel, vc está cursando engenharia de computação? Se sim, acho interessante entender mais a fundo o que tem te causado dificuldades em programação… pra ver se é uma questão de didática (a Poli quase não tem problemas com isso) ou de lógica, mesmo.

      Independente disso, a vida de um formado vai bem além de programação… eu, após formado, nunca mais escrevi uma linha de código nos meus trabalhos… só por hoby, mesmo.

      Várias áreas mais gerenciais, que envolvem muito mais “tato humano” que lógica são bem comuns para engenheiros, mas a lógica e a capacidade analítica bem desenvolvidas é algo que se espera de um engenheiro.

      Tente aprofundar um pouco o que tem achado ruim e no que está tendo dificuldades para que possamos te ajudar.

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1309
  9. Rodolfo

    Bom gostaria de saber, estou cursando engenharia de computação na utfpr, e não estou tendo mta afinidade com programação. Será que devo desistir da faculdade? Por que tenho um professor que é mto xarope quer que a gente programe até a exaustão, isso acaba me desmotivando um pouco. Tenho dificuldades em trabalhar sob pressão. Agradeço desde já uma resposta

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1329
    • Vamos lá… programação é apenas uma das diversas áreas que você poderá seguir na carreira como engenheiro de computação. Professores que forçam a barra vão existir em qualquer área e disciplinas que não gostamos, também.

      Quanto a trabalhar sobre pressão, na área de tecnologia é normal que tenhamos pressão o tempo todo… o mercado é extremamente dinâmico e competitivo, então talvez essa sim, seja uma área que valha a pena você se esforçar para melhorar.

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1330
      • Rodolfo

        Bom eu gostaria de saber q área se refere, o curso no geral ou a programação em si?

        VA:F [1.9.11_1134]
        Rating: 0 (from 0 votes)
        #1331
        • Qualquer área… se for fazer um curso de Biologia, vai ter professor que força a barra… qualquer faculdade terá essa pressão e professores que exigem muito.

          Aproveite esse momento para aprender a lidar com a pressão. É um excelente momento para evoluir! Usando uma analogia com esportes, pense na faculdade como um treino em que cometer erros são normais e oportunidades para aprender. Depois de formado, é campeonato! Erros passam a ser mais graves, a pressão maior e os desafios reais!

          Encare isso como um desafio a ser superado para sua evolução na carreira :)

          VN:F [1.9.11_1134]
          Rating: 0 (from 0 votes)
          #1332
  10. Marcos

    Bom dia

    Estou interessando em cursar Engenharia da Computação pela Uninter na modalidade a distancia. Não tenho muitas habilidades em matemática, Física e Quimica,porém, estou com muita disposição e vontade de estudar.O que você acha? É possível? Vale a pena? Tenho atualmente 36 anos.

    Grato Marcos

    VA:F [1.9.11_1134]
    Rating: 0 (from 0 votes)
    #1343
    • Marcos, entrei na Poli com 26 anos. O que aprendi dessas disciplinas para entrar vieram do cursinho.

      Acredito que vale, sim, a pena!

      Recomendo que faça algum curso / cursinho para ter uma base dessas disciplinas, senão será bem difícil acompanhar o ritmo.

      VN:F [1.9.11_1134]
      Rating: 0 (from 0 votes)
      #1347

Deixe um Comentário

Spam Protection by WP-SpamFree

Get Adobe Flash playerPlugin by wpburn.com wordpress themes